terça-feira, abril 14, 2009


"- Se fazes favor...cativa-me! - acabou finalmente por pedir.

- Eu bem gostava - respondeu o principezinho, - mas nao tenho muito tempo. Tenho amigos para descobrir e uma data de coisas para conhecer...
- So conhecemos o que cativamos - disse a raposa.

- Os homens deixaram de ter tempo para conhecer o que quer que seja. Compram as coisas ja feitas aos vendedores.

Mas como nao ha vendedores de amigos, os homens deixaram de ter amigos. Se queres um amigo, cativa-me!
- E tenho que fazer o que? - disse o principezinho.

- Tens de ter muita paciencia. Primeiro, sentas-te longe de mim, assim, na relva. Eu olho para ti pelo canto do olho e tu nao dizes nada.


A linguagem e uma fonte de mal-entendidos. Mas podes-te sentar cada dia um bocadinho mais perto..." "...Os homens ja nao se lembram desta verdade - disse a raposa. -

Mas tu nao te deves esquecer dela. Ficas para sempre responsavel por tudo aquilo que cativaste..."

2 comentários:

rúben leitão disse...

Tens razão, ‘raposa’... Os homens esquecem-se, cada vez mais, que estão a existir...

Nesse 'delete' de consciência, a sua relação com os seus semelhantes continua a esgotar-se... a união fragmenta-se e a história afectiva tende ao vazio...

'O' Homem, na sua fúria de evolução, está a querer libertar-se da sua natureza, da sua característica humana... à carne e aos órgãos funcionais, sobrepõem-se os mecanismos robóticos... ao tempo finito de uma vida, anseia-se o pouco mais eterno...

E a 'sua casa' vê-o afastar-se... o planeta-berço assiste à descoberta de novos mundos... 'o' Homem torna-a dispensável, deixa de ser única para ele...

A desistência do Homem assusta-me... tenho crescido com os ensinamentos da ‘raposa’... ao Homem, é fundamental parar um pouco... sentir-se um pouco (ou tanto) perdido... para se poder encontrar... no solo que 'o' conhece...

um abraço,
rúben leitão - 140409

Anônimo disse...

É curioso ver assim este post... apesar de já ter lido e oferecido por tantas vezes este livro, só agora alguém resolveu oferecer-me!Por isso achei tb curioso encontrar aqui e agora, este excerto, do livro da minha vida... o ensinamento básico para uma vivência feliz e harmoniosa!
O que seria do Homem sem sonhos?!! Quem não tem a capacidade de sonhar, de ser simples e único no seu estado mais puro e sincero... passa a ver apenas aquilo que quer!!! E é condicionado pelo seu próprio eu, a Ser e a Sentir de verdade, o que a vida tem de melhor...a própria Vida! Tudo e todos, somos importantes... "neste ciclo sem fim".
É importante cativar... assim como se deixar cativar... mas o mais importante, sempre, é a responsabilidade pelos que já cativamos!!
Não te esqueças desta verdade, pois sempre que tenho notícias tuas é como se ouvisse "quinhentos milhões de guizinhos" dentro de mim.
Eu serei sempre para ti, poço e água no deserto.
Um beijo... Telma Feijão